ARTE é uma forma de revelar, pensamentos, emoções e sentimentos que podem está ocultos ou visíveis. Dina Garcia

Autodidata vanguardista, Dina Garcia quebra as fronteiras do convencional com suas imagens intensas e a um só tempo arraigadas e universais, traduzindo em ícones vibrantes e visão singular o Brasil profundo que habita o Recôncavo baiano, cadinho multirracial onde se modelou a cultura do país. A cada fase, Dina se reinventa e nos presenteia com novos signos da sua estética irrequieta e densa em conteúdos. Luiz Afonso Costa (jornalista e escritor)



"O FLUXO DE EXUBERÂNCIA DA PINTURA DE DINA GARCIA, CRIA SIGNOS DE ARTE INTENSA, COMPLETOS DE EMOÇÃO, INSTIGANTES FACES DE PUREZA NUA".
Fernando Coelho ( jornalista e escritor)
“A singular percepção artística de Dina Garcia, mergulha na essência profunda da cultura do recôncavo; traduzindo-a através de um insólito caleidoscópio de cores e formas”.
Journey Pereira dos Santos (escritor)
" Sua arte tem muita brasilidade, cores expressivas e harmoniosas. Rosana Prates (marchand)

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

MULHERES COM POTE - 2016

                                                                             AQURELA

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

NU FEMININO - 2016

                                                                      AGUARELA

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

COMPLETO SETE(7) EXPOSIÇÕES COLETIVAS INTERNACIONAIS EM ABRIL - PORTO - PORTUGAL - 2016

                        MINHA 01 EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL -

0I Cartaz da Exposição Coletiva na França - maio - 2006 - Rouge Ebene. Curadoria - Creuza Carqueija.


                       

II - 2013 -" LEILÃO INTERNACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA" - CONNEXION ART BRÉSIL - FRANCE CARROUSEL

 PARIS - FRANÇA - 2013 - Carrousel Du Louvre-Paris - Curadoria de Heloiza Azevedo Art. -

Exposição Internacional Multiforma Criatividade Étnica. Organizada pela Galeria de Arte Eclettica (Itália), por Giuliano Ottaviani, artista plástico e co-produção de Patrícia Rosa (Brasil), a exposição Brasil / Itália reúne vários artistas Italianos e Brasileiros no Museu Eugênio Teixeira Leal - 2014


Internacional OUT of Bounds Freedom of Expredom of Expression Exhibition . CURADORIA SHELITA BIRCHE - Blue Door Art Center and Gallery- Nova Iorque - Estados Unidos - 2015.

LE LAUDI DEL COLORE: "edit & friends" dal Brasile Dina Garcia a Settembre 19-20-21 - Tocco da Casauria - ITÁLIA - 2015Dal 19“EDIT & FRIENDS”Assim, além de Edit e Donzelli estarão em exposição obras de Carla Arouesty Muniz (Cidade do México), Manfred Benedde (Alemanha), Kamen Bonev (EAU), Antonio Cicchetti (Itália), Hassan Dahan (Marrocos), Massimo Di Febo (Itália ), Bruno Di Pietro (Itália),Dina Garcia (Brasil), Sandro Lucio Giardinelli (Itália), Paul Indrek Kostaby (New York), Domenico Palma (Itália), Leo Strozzieri (Itália), Carlo Zaccardi (Itália) al 21 settembre 2015 (apertura 18-23) presso il Museo Civico di Tocco da Casauria si terrà la seconda edizione della rassegna di arti visive “LE LAUDI DEL COLORE” che quest'anno ha per titolo.


Galerie Koko, de 18 a 25 de fevereiro em Vienna APOIO Fliz Do Brasil CASA BRASIL.www.artnatik.com - CONVITES PERSONALIZADOS.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

PEDALANDO NA FANTASIA - 2016

                                           PEDALANDO NA FANTASIA - 2016
                                                              Aguarela
                                                             0.40 X 0.30

SER MÃE - 2016

                                                              SER MÃE - 2016
                                                                Acrílico s/tela
                                                                 0.80 X 0.60

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Exposição Coletiva de Carnaval da Galeria Lícia B. Simoneti no Shopping Butantã - São Paulo - CAFÉ COM OS ARTISTAS DIA 1 DE FEVEREIRO AS 10.30 HS.

               Nome dos Artistas que participarão da Exposição Coletiva de Carnaval da Galeria Lícia B. Simoneti no Shopping Butantã. Adina Worcman, Alvaro Azzan, Ale Magrini, Comendadora Maria Licia Simoneti, Gui Bilatto, Marcos Cândido de Souza, Ana Bittar, Rogério Romanek, Márcia Vinhas Fernandes, Paulo Byron, Rosangela Araujo, Kazuhe Shizuru, Giuseppe Ranzini, Dominique Lecomte, Ricardo Amadeo Junior, Ivone Oliveira Ramos, Célia Luz, Rita Caruzzo Caruzzo, Emma Bianchini, Tania Normann Miranda, Cristina Brahemcha, Cristina Domingos, Dina Garcia, Ever Romano Silva Romano, Rogério Dal' Mas , Elze Arruda, João Melo, Sandro Del Pires Analucia Toledo, Sonia Botture..

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

- Exposição de VIENA agita as mídias no Brasil.-

- Exposição de VIENA agita as mídias no Brasil.-
A exposição de ‪#‎Viena‬ está ganhando também as mídias no Brasil.
Em São Paulo saiu esta semana duas matérias falando da importância desta exposição. São 43 brasileiros nesta coletiva S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L
A casabrasil.li / Presidente Denise Cruz está super orgulhosa em participar deste trabalho com Angela Oliveira e ARTNATIK.com/ Athius da Cruz
Imagina quando chegar em Viena ... Emoticon grin O meio artístico está esperando muito por este evento. Esperamos você também lá em Viena dia 18 de Fevereiro. na Galeria KoKo. - Mittelgasse 7, 1060. 



terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Entrevista para BELA CASA E CIA - Por:Rô Wölfl Correspondente na Alemanha - 03/08/2015

                                                         DINA GARCIA, A BAIANA QUE RETRATA A CULTURA AFRO-BRASILEIRO EM TELAS QUE  PERCORREM O MUNDO!                                                          

Uma das mais talentosas artistas plásticas do Brasil, mora no interior da Bahia é autoditata e já expôs suas obras em vários países como: Estados Unidos,Itália e França. Dina Garcia, a baiana que começou a pintar utilizando lápis de cêra, viu suas telas sendo vendidas não só no Brasil, mas também, para clientes europeus,americanos e japoneses. Através de influências fovistas, cubistas e expressionistas, a artista Dina Garcia,desenvolveu um estilo próprio que retrata em diversas temáticas o legado cultural afro-brasileiro.

“Moro em um estado riquíssimo culturalmente, tudo é inspirador, as riquezas deixada pelo legado negro é uma fonte inesgotável de informações e beleza, uma das minhas temáticas prediletas é afro-brasileiro”, explicou Dina Garcia, falando sobre a fonte inspiradora de suas obras que se destacam pelas cores vibrantes e figuras de olhares cativantes. “Minhas temáticas são variadas, porém, todos demonstram a influência afro”,enfatizou Dina, que desde o final da década de 90, adotou a técnica de pintura acrílica para executar seus trabalhos.

                                                                      O Despertar da Artista

Dina Garcia conta que desde criança já gostava de desenhar e pintar. “Quando fiz o magistério, fazia trabalhos didáticos ilustrados e cartazes, ampliava desenhos, dai então que surgiu a vontade de fazer outros tipos de desenhos, releituras e criações minhas. Usava o papel cartaz e coloria com lápis de cera, tempos depois com os trabalhos emoldurados, realizei a minha primeira exposição individual, com o incentivo e ajuda dos meus colegas de cursinho, em 14 agosto de 1992, na Biblioteca Municipal de Cruz das Almas – Bahia”,relembrou a artista plástica.

A partir daí,Dina Garcia, já participou  61 exposições coletivas no Brasil, 4 exposições coletivas internacionais, na França, Itália e Estados Unidos. 17 exposições individuais,em Salvador e Recôncavo, 2 Salões de Artes, em Campinas- SP e Cachoeira-Bahia e da 9ªBienal do Recôncavo,em São Félix -  com a obra "RETRATO DE FAMÍLIA III".Em 2013, A Revista Beach Class, incluiu o nome de Dina Garcia, na lista dos 73 artistas, do Carrocel du Louvre,na França.

“Minha primeira exposição coletiva internacional, foi em 2006, quando fui convidada pela guia de turismo,Creuza Carqueja. Ela conheceu meu trabalho na Pousada do Carmo, em Cacheira-Ba.As outras exposições, os convites foram acontecendo através das fotos”,explicou Dina que falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos artistas plásticos, tanto para a realização das obras, quanto para a divulgação, comercialização e participação em exposições e outros eventos no Brasil ou no Exterior.

“Quando você descobre que seu trabalho foi aceito de uma certa forma pelo público, isso lhe impulsiona a lutar por ele, mais nem tudo é possível, uma coisa é fundamental neste trabalho: a condição financeira, é um trabalho elitizado, você tem que ter dinheiro para investir, em material, viagens e exposições, isto tudo independente de vender ou não. Claro que falei de forma individual, mais existem outros meios, através de patrocínios, projetos culturais, apoio, são ajudas que não chegam para todos e sim para uma pequena minoria de artistas que são privilegiados", explicou.

Para Dina, as atuais dificuldades enfrentadas pelos artistas plásticos podem ser minimizadas com a criação de novos meios de incentivo`a cultura, tornando mais acessível a busca de suportes para a realização dos projetos.

“O mercado de arte brasileiro se direciona entre São Paulo e Rio de Janeiro, com a realização de feiras Internacionais, a exemplo da SP-arte e ART-Rio. Novas galerias são abertas a cada ano e cada vez mais este mercado atraí colecionadores, iniciados e iniciantes. Apesar da Bahia, ter um número significativo de produções artísticas não existe expressão alguma no mapeamento setorial. Agora, está surgindo incentivadores para a promoção das Artes Visuais na Bahia, através da divulgação e realizações de eventos culturais”,ressaltou Dina que incentiva as pessoas que estão iniciando nas artes plásticas.

“Se você acredita em trabalho persevere, seja dedicado, tendo sempre em mente que é um trabalho árduo, porém, nada é impossível. Seja devoto de seu objetivo corpo e alma”,enfatizou Dina, que participa este ano, de duas exposições permanentes: na Galeria B. Arte,no Shopping Paralela,Salvador-Ba e na Pousada Convento do Carmo, em Cachoeira-Ba." "Tenho exposição permanente nesta Pousada, há exatamente 18 anos",finalizou a artista.

As obras de Dina Garcia, também podem ser apreciadas e adquiridas no Ateliê da artista, que fica na Av. Getúlio Vargas, 137 - Cruz das Almas – Ba. Tel.75 83114013 ou 75 3621-5451.




Pousada Convento do Carmo: Praça da Aclamação,s/n-centro,Cachoeira-Ba
tel: (75) 44300-000 e (75) 3425-1716.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

ÁFRICANAMENTE - 2015

                                                            Acrílico s/tela - 0.50 X 0.40

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

FRIDA TROPICAL II

                                                      Acrílico s/tela - 0.60 X 0.50

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Artigo sobre a arte de Dina Garcia do mestre Narlan Matos, Ph.D Professor de cultura brasileira no Montgomery College, MD Dr. Narlan Matos ( doutor pela Universidade de Illinois, nos USA, uma das 10 maiores: A CELEBRAÇÃO DA VIDA E DAS CORES

DINA GARCIA: A CELEBRAÇÃO DA VIDA E DAS CORES

De repente, surgiu uma de suas telas na minha tela de Facebook, vinda das mãos de algum amigo ou amiga. Pensei que tratava-se apenas de uma tela, mas, intuído, resolvi por procurar a origem. Encontrei. Nos tornamos face-amigos. E, daí por diante, foi uma enxurrada de telas. Comecei a investigação, movido pelo magnetismo que sua arte exercia em mim e por uma estranha curiosidade. A origem: numa garagem pequena, quase paisana, convertida em atelier, numa remota cidade do interior, trabalhava Dina Garcia, jovem e desconhecida pintora baiana. O susto: se sua arte era desconhecida de crítica e público, suas profícuas telas – mais de mil – já demonstravam uma linguagem pessoal e madura, experimental, lúcida e delirante, impregnada de matizes fortes e impressões cênicas. Foi suficiente para instigar uma investigação mais séria: não se tratava apenas de mais uma pintora. Dina era um verdadeiro dínamo.

Sua clara influência de Frida Khalo não se perfazia uma mácula, uma sombra, mas sim uma sombra luminosa colorida, coada e adicionada de ricas impurezas, impregnada de vida, do dia-a-dia de lavradores e personagens comuns do Recôncavo baiano, do sertão. A arte de Dina Garcia é uma dinamite de pigmentos, um entroncamento de linguagens e conteúdos diversos, que convergem na direção de uma pintura maior. Saliento, aqui, que, enquanto Kahlo era lírica, girando muito em torno de sua tragédia pessoal, Dina Garcia, além de lírica, insere sua obra dentro de uma épica coletiva. Há uma confluência com a tradição da pintura latino-americana, inclusive com temas sociais, como é o caso de seus lavradores, vendedores de bananas, etc. Estão presentes a denúncia social, a condição do homem, a mulher, a sensualidade, a sociedade agrária, a natureza, a crônica urbana e quotidiana, além de muitos outros.

Anteriormente, quando falei do caso de Dina Garcia ser do interior não significa em nada que ela seja provinciana – e muitos críticos mal-versados incorrem neste equívoco - pelo contrário, ela surge do interior de si mesma, da Bahia, do Brasil e da América Latina como uma força telúrica, expondo elementos profundos da identidade latino-americana que resultam em signos deste continente. Sua universalidade vem justamente disso.

Dina Garcia é herdeira da melhor tradição de 1922, aquela que diz o homem e sua cultura através das formas e cores. A pintura modernista abriu caminho para a liberdade e o experimentalismo, temas não-acadêmicos, sobretudo aqueles relacionados ao quotidiano, à vida comum. As gerações subsequentes se distanciaram daquela tradição para não repeti-la ou por não conhecê-la. No entanto, este afastamento foi radical demais, impelindo muitos pintores à condição de caricatura de artistas. Lembrando que muitos dos pintores de 1922 eram nascidos em fazendas de café no interior do Brasil e traziam consigo, naturalmente, a força da natureza – a luz - que todo verdadeiro artista deve possuir, mesmo quando duvida.

Comumente, tem-se ressaltado as influências do fovismo, cubismo e expressionismo na obra de Dina Garcia – e, de fato, são bastante evidentes. Entretanto, há que se adicionar que sua linguagem também está relacionada a fenômenos mais contemporâneos como o comics – e mesmo ao ready made, ambos relacionados à pós-modernidade – o que equilibra a arte de Garcia, equalizando tradição e modernidade. Algumas de suas pinturas me lembram uma página de uma revistinha em quadrinhos. Todavia, é uma página de quadrinhos com um toque de uma mão artística magistral. Seu colorido impressiona e cativa, aliado à irregularidade das formas. Há, por trás de suas cores fortes e alegres, de suas formas irregulares – consciente ou inconscientemente - um discurso sócio-político-antropológico que se liga ao da grande tradição da Semana de Arte Moderna, de 1922, com Tarsila do Amaral, Portinari e Di Cavalcanti. As arestas que um crítico atento perceberá, aqui e ali, certamente o tempo – e a idade-experiência - se encarregarão de aperfeiçoar.

O que importa mesmo é que, naquele pequeno atelier, naquela garagem obscura, naquela remota cidade do interior, trabalha uma das mais importantes e profícuas jovens pintoras baianas de hoje que tive o prazer de descobrir. E pintor baiano dos bons é pura poesia pau-brasil, tipo exportação… A obra dela já começa a circular internacionalmente, participando de exposições nos EUA e na Europa… Vida longa, Dina Garcia!


Narlan Matos, Ph.D
Professor de cultura brasileira no Montgomery College, MD